Itamonte –  A História
 

De origem provinda dos meados do século XVII, época do afluxo das bandeiras ao planalto das Gerais, Itamonte remonta-se ao marco inicial das explorações no interior do país pelos portugueses, ordenadas por Martim Afonso de Souza, em 1531. Alguns de seus homens internaram-se pelas florestas virgens, vadeando pelos rios e transpondo as serras do Mar e da Mantiqueira, atingindo Minas Gerais, deixando o território da atual cidade de Itamonte o sinal da primeira vereda vinda do sul.

No decorrer da história, com a descoberta das minas no interior do estado, colonos e aventureiros contribuíram para o desenvolvimento desta localidade, a antiga vereda tornou-se entrada, com inúmeros pousos, para as almejadas terras da Gerais, onde os mesmos estendiam-se pela garganta da Lapa até a confluência do Rio Capivari com o Rio Verde, utilizando muitas dessas em povoados e cidades, como foi o caso do pouso do Pico, assim denominado pela pedra indicativa em realce, no dorso altaneiro da montanha, que servia de orientação para os Bandeirantes.

Pedra do Picu –  A história
 

A exploração dos Bandeirantes vindo da capitania de São Vicente tornou a Pedra do Pico um ponto de orientação para os viajantes, com a intensificação do êxodo paulista pela descoberta de minas de ouro na região, ali tornou-se um pouso, Pouso do pico, que por corruptela tornou-se Picu. O Pouso do Picu ganhou aspecto de povoado com a construção de uma capela com a invocação de São José. Com isso, o nome passou a ser São José do Picu e por fim Itamonte, que tem o significado tupi-guarani de Pedra do Monte.

A importância do Picu para a região o fez tornar-se um Monumento Natural Municipal (MONA).

Com 2.151 metros de altitude é um local muito procurado por quem busca aventura e beleza natural.